Projetos de Pesquisa  - Estudos Literários

 

 

 

Literatura gótica brasileira

O projeto pretende investigar na literatura brasileira a presença do Gótico, gênero tão frequente nas literaturas de língua inglesa dos dois lados do Atlântico, associado a nomes como os de Byron, Bram Stoker, Oscar Wilde e Edgar Allan Poe, e que em nossa literatura comparece timidamente, associado apenas aos representantes mais canônicos do gênero, como o ultrarromântico Álvares de Azevedo.  Pretende-se investigar o “Gótico no Brasil”, como se pode observar na obra dos simbolistas Alphonsus de Guimaraens e Cruz e Sousa, e também o “Gótico brasileiro”, no qual os elementos da literatura gótica comparecem em um cenário marcado pela cor local, como ocorre na obra de Lúcio Cardoso e Cornélio Penna, romancistas que estrearam na década de 1930, em que se pode perceber a construção literária de um retrato de Brasil, fantasmático com suas fazendas de café arruinadas, muito afim ao cenário dos romances góticos ingleses que surgiram no século XVIII a partir de O castelo de Otranto (1764), de Horace Walpole, no qual a casa-grande assoma como ruína alegórica, no sentido benjaminiano, de certa tradição patriarcal brasileira, de feição feudal, do mesmo modo que o castelo avulta como alegoria de uma tradição europeia medieval suplantada pela modernidade, a partir do constructo da casa-grande representada por Gilberto Freyre em Casa-grande & senzala. O objetivo do projeto, assim, é o de mapear a presença do gênero gótico em autores e obras da literatura brasileira dos mais variados períodos e estilos literários, levando em consideração de que o Gótico constitui uma poética da Modernidade, em voltagem crepuscular.  Para se pensar o Gótico dentro de tal escopo serão utilizadas as reflexões de Walter Benjamin sobre a alegoria e as de Giorgio Agambem sobre o fantasma. O projeto está vinculado aos grupos de pesquisa cadastrados no CNPq "Estudos do Gótico"(UERJ) e "Poéticas da Diversidade" (UFRJ), bem como ao GT Vertentes do Insólito Ficcional (ANPOLL).

O Reino, de Gonçalo M. Tavares. Literatura, investigação, compromisso ético

Percorre o projeto literário de Gonçalo M. Tavares a indagação sobre o estatuto do literário, não com pretensões a uma possível resposta, mas antes como abertura de espaço que assegure a possibilidade de experimentação e capacidade inventiva das quais a ficção não deve abrir mão. Desse lugar de liberdade o autor tem produzido textos de diferentes tonalidades e formas, alguns próximos a gêneros mais tradicionais, outros distantes e de difícil classificação. O projeto de pesquisa agora proposto vai deter-se na tetralogia O Reino do qual fazem parte quatro romances: Um homem Klaus Klump, A máquina de Joseph Walser, Jerusalém e Aprender a rezar na era da técnica também conhecidos como Livros pretos. Trata-se de verificar como um gênero com lugar assegurado na história da literatura adquire com este autor expressão renovada como meio de investigação e responsabilidade ética. Por essa razão, buscamos, em nossos objetivos, dar aos alunos bolsistas um panorama histórico do gênero romance, por considerarmos que só será possível proceder a uma avaliação sobre o romance contemporâneo, e especificamente o da autoria de Gonçalo M. Tavares, a partir do conhecimento sobre a sua história e desenvolvimento. A atenção ao que foi escrito antes, é, aliás, uma das singularidades deste autor que importa destacar. Em vários de seus textos a leitura é encenada, quer na forma de citação, quer na forma de ligações entre textos de diferentes autores. Trata-se de um escritor que não só afirma publicamente a importância da leitura para a construção da sua poética, como inclui em seus livros a sua cartografia. Este aspecto vai ao encontro dos objetivos principais deste projeto, não só estudo de um autor específico, mas de um escritor cujos textos incentivam a reflexão mais ampla sobre o que seja a literatura e qual seu lugar no mundo de hoje.

Discussões e releituras de literatura na contemporaneidade: A transposição midiática

Na continuidade da análise das releituras de literatura na contemporaneidade, o objetivo geral é examinar as adaptações de textos literários para o cinema sob o crivo das Intermidialidades, tendo por base a transposição midial (media transposition) categoria que, stricto sensu, trata desta interrelação específica entre as narrativas literária e fílmica. Esperase investigar, nas adaptações cinematográficas, como se processa o estabelecimento da qualidade intermidiática e qual a sua relação com o modus operandi (transposição midial) desta produção artística; i.e., entender o que aciona a migração e transformação de um determinado produto de mídia ou de seu substrato em outra mídia; observar o conjunto de procedimentos da recepção no acolhimento às adaptações fílmicas de textos literários para trazer à discussão os condicionamentos histórico-sociais e pressupostos teóricos que prédeterminam a validação das releituras e muitas vezes ignoram as drásticas mudanças de proposta, meio, suporte, modo de operar (polo da produção), e respectivas configurações, temporalidades, efeitos de sentido (polo da recepção); e, a partir da: revisão de conceitos circunscritos ao literário e às Intermidialidades, problematizar a noção de valor como estabelecimento, atualizar a estudo das Intermidialidades como derivativo da Comparada, repensar o compromisso de fidelidade da Adaptação à obra de partida, bem como rever o entendimento acerca do clássico, massivo, erudito e popular, revisitando categorias teóricas básicas tais como mimesis, verossimilhança e a questão da originalidade. Reitera-se que na contemporaneidade é cada vez mais difícil e ineficaz enxergar as obras de maneira isolada. Ao invés, dizemos que os objetos em consórcio presidem relações que só podem se materializar pela eficácia das transposições. Por este viés multifacetado, examinar as releituras de literatura para o cinema – com suas múltiplas mídias constitutivas - significa não julgar ou hierarquizar as obras em jogo, procedimento que reduziria drasticamente a sua potência significativa. Interessa, portanto, não enquadrar as obras analisadas e em escalas de valores, mas sim compreender a gênese do conjunto de procedimentos desenvolvidos para a transposição de uma mídia a outra e os seus efeitos de sentido. Nesta migração – transposição midial - é fundamental compreender de que maneira literatura e cinema (se) recriam, (auto) representam ou deslizam da realidade tradicionalmente tomada como referente, num processo não de apagamento ou exclusão, mas de iluminação mútua. A abordagem teórico-crítico das Intermidialidades está circunscrita à problematização do critério de paradigmas (em) que (se) constituem os sujeitos e respectivos contextos envolvidos nas releituras, sendo, portanto, uma pesquisa de dimensão estético-política.

Cânone e disseminação das Literaturas de Língua Portuguesa

O projeto investiga a propagação e/ou dispersão das literaturas de língua portuguesa no Brasil, mediante projetos nacionais ou identitários, na África, Europa e no Brasil, bem como a inter-relação dessas dinâmicas com o caráter de seus produtores (mulher, homem, outros) avaliando as suas trajetórias em face de suas constituições críticas, teóricas em seus diferentes contextos, inclusive nos de seus ensinos. Interroga-se de que modo as produções de autores como Abdulai Sila (Guiné Bissau), Maria Firmina dos Reis (Brasil), Machado de Assis (Brasil), Pepetela (Angola), Ruth Guimarães (Brasil), Patrícia Galvão (Brasil), Rita Lee (Brasil), autores da Revista Claridade (Cabo Verde), José Saramago (Literatura Portuguesa), Cláudio Manoel da Costa (Brasil), Abdias do Nascimento (Brasil) no contexto de suas produções, alcançaram ou não receptividade, tendo por base referências teóricas de nação por Benedict Anderson; de questões afro-brasileiras com Kabengele Munanga; do Pós-colonialismo por Inocência Mata; das relações de poder com Foucault; da alteridade com Clifford Geertz; de polifonia em Bakhtin e das relações de dependência com Silviano Santiago, entre outros. Está vinculado a Grupo de Pesquisa do CNPq e à área de Estudos Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística (PPLIN), com dissertações de mestrado em andamento de orientação. 

Trânsitos narrativos: mobilidade social, cultural e política no romance contemporâneo

Este projeto de pesquisa vincula-se ao programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística (PPLIN/UERJ) e tem por objetivo estudar ficcionistas contemporâneos, em perspectiva comparada, no Brasil e no mundo e que se pautam por um intenso hibridismo textual que convoca o leitor crítico à reflexão acerca do intercâmbio de gêneros literários e textuais que vêm sustentando nossa tese, de que a mathesis, conforme bem definida por Roland Barthes (1987), é uma das grandes forças da literatura – a força dos saberes – a demandar uma utopia da pesquisa em que literatura, teoria, educação e cultura se apresentam como campos cooperativos. Os autores inicialmente estudados serão (1) Bernardo Carvalho, com os romances O filho da mãe e Simpatia pelo demônio; (2) Bernardo Kucinski, com seu romance K: relato de uma busca, e sua novela Os visitantes; (3) Michel Laub, com Diário da queda e A maçã envenenada; (4) Chico Buarque, no romance O irmão alemão; e (5) Milton Hatoum, com o romance A noite da espera; (6) Paraíso, de Tatiana Salem Levy; e (6) Assim na terra como embaixo da terra, de Ana Paula Maia. Serão lidos, em viés comparativo, sempre que possível, na investigação dos processos de trocas interculturais e transculturais estabelecidos na leitura de (1) Formas de voltar para casa, de Alejandro Zambra; (2) Festa no covil, de Juan Pablo Villalobos; (3) O caminho de Ida, de Ricardo Piglia e (4) Os emigrantes e Austerlitz, de W. G. Sebald. Problematizaremos, no conjunto de romances escolhidos, as antinomias do mundo globalizado, principalmente quanto às tensões entre a globalização pensada (1) como fábula, (2) como perversidade e (3) como possibilidade, conforme propôs Milton Santos (2002), e as formas como essas contradições são ficcionalizadas nas obras escolhidas. Discutir ainda as formas de representação da guerra, do terrorismo, das catástrofes e das emblemáticas relações interpessoais em tempos de imperativos tecnológico-midiáticos, ampliando o escopo das pesquisas iniciadas quando de meu ingresso na FFP/UERJ, destacando neste momento as relações entre representação ficcional e história, enfatizando o problema da ética em um mundo de cidadãos-consumidores. Com isso, pretendemos ampliar o pensamento crítico no campo da Teoria Literária, consolidando campos cooperativos em torno de uma poética do romance brasileiro contemporâneo identificada com uma poética-mundo, representada pelos autores estrangeiros aqui trazidos a debate, mostrando sua importância no processo de formação docente na pós-graduação e com intercâmbios na graduação.

Entre a história e a ficção: as figurações do insólito na literatura contemporânea

A pesquisa tem por objetivo investigar o entrelaçamento entre história e ficção nas obras de autores contemporâneos, em língua portuguesa e inglesa, buscando verificar em que medida os acontecimentos insólitos concorrem para a releitura e redimensionamento de fatos, personagens históricos e contextos socioculturais representados na ficção. Na literatura contemporânea, é possível perceber a irrupção do insólito como estratégia de construção narrativa, envolvendo fatores tais como o conhecimento de mundo do leitor empírico, a existência de autores e leitores potenciais, a imbricação de diversos gêneros textuais e o diálogo intertextual. Busca-se analisar, assim, a presença do insólito em múltiplas vertentes da narrativa ficcional a ele vinculadas. O corpus literário analisado abrangerá autores contemporâneos, podendo, entretanto, estabelecer diálogo com obras de autores de outros períodos literários. O projeto está vinculado à Linha de Pesquisa “Literatura, Teoria e História” e aos grupos de pesquisa Nós do Insólito: vertentes da ficção, da teoria e da crítica e Poéticas da Diversidade, cadastrados no CNPq.

Poéticas da diversidade: representações da identidade cultural na literatura contemporânea

Este projeto tem por objetivo analisar comparativamente a representação da identidade cultural em obras da literatura contemporânea, com foco especial na diversidade étnica, na mobilidade cultural e territorial e na memória como forma de apropriação do passado e de diálogo com a tradição. Assim, ao examinar o processo de inserção social do indivíduo que passa pela experiência da desterritorialização, dar-se-á ênfase às implicações da tríade memória, esquecimento e silêncio nas novas configurações identitárias resultantes do deslocamento. Para tanto, será investigado um corpus literário de literaturas nacionais diversas, que abrange contos e romances de Jhumpa Lahiri, Thrity Umrigar, Chimamanda Ngozi Adichie, Michel Laub, Heliete Vaitsman, Adriana Lisboa, Oscar Nakasato e Bernardo Carvalho, dentre outros. Buscar-se-á, ainda, verificar se a arquitetura dos textos selecionados reproduz a temática desenvolvida no âmbito do universo ficcional. O projeto está vinculado à Linha de Pesquisa “Literatura, Teoria e História” e ao grupo de pesquisa Poéticas da Diversidade, cadastrado no CNPq.

Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística - PPLIN

Rua Francisco Portela, 1470, Patronato
CEP 24435-005, São Gonçalo, RJ
Telefone: (21) 3705-2227, ramal 246
E-mail: pplinuerj@gmail.com